APOIOS FINANCEIROS ADICIONAIS ÀS EMPRESAS PELA CONTRATAÇÃO

O Jornal de Noticias adianta hoje que as empresas que contratarem funcionários vão ter apoios financeiros adicionais como incentivo à contratação. O Governo pretende assim dinamizar a empregabilidade já a partir do próximo mês de Outubro.

Segundo o JN as empresas vão usufruir de um apoio financeiro de 1% sobre o salário pago aos novos trabalhadores, ou seja, para os contratos que forem celebrados a partir do próximo mês.

Deixamos na íntegra a notícia do JN.

“As empresas que celebrem novos contratos de trabalho entre 1 de outubro deste ano e 30 de setembro de 2015 vão ter uma nova ajuda: o Governo anunciará, esta segunda-feira, em reunião da concertação social, a medida “Incentivo Emprego” que consiste na comparticipação de 1% do salário por cada novo trabalhador efetivo ou a prazo.

Este novo subsídio, suportado por verbas europeias, acaba por compensar as empresas em relação aos encargos com os dois novos fundos obrigatórios que financiarão os despedimentos (indemnizações), que também entram em vigor no início de outubro. Ao mesmo tempo dinamizará a contratação, diz o Governo. Aqueles dois fundos resultam de uma contribuição total também de 1% (0,925% e 0,075%) sobre os salários dos empregados.

Fonte oficial do Ministério do Emprego e da Segurança Social, explica que “ficam abrangidos pelo Incentivo Emprego os contratos de trabalho regulados pelo Código do Trabalho, excluindo-se apenas os contratos de trabalho de muito curta duração e os celebrados por entidades cuja natureza justifica o afastamento do referido apoio financeiro”. A medida “aplica–se ao período compreendido entre o início da execução de contrato de trabalho (desde que celebrado depois de 1 de outubro de 2013) e 30 de setembro de 2015 ou a data de cessação do contrato, conforme a que se verifique em primeiro lugar”.

O apoio corresponde “a 1% da retribuição mensal do trabalhador, assumindo-se por referência o valor pago pelo empregador relevante para efeitos de incidência da taxa contributiva (TSU) devida à segurança social.

As empresas que pretendam beneficiar da ajuda terão de ter tudo regularizado nos impostos, na Segurança Social, junto do Fundo Social Europeu e do IEFP. O Incentivo Emprego pode acumular com outros apoios ao emprego que já estejam a ser atribuídos às mesmas pessoas.”

16 de Setembro/2013

 

Deixe o seu comentário

 

TV ONLINE