Aqui há crédito para estudar

Aqui há crédito para estudar – o valor do crédito pode ascender a 75 mil euros.

Instituições financeiras oferecem crédito próprio e uma linha financiada pelo Estado, que varia ligeiramente entre os vários bancos. Conheça os vários créditos que pode escolher.

O sistema de créditos universitários não varia muito entre as várias instituições financeiras pelo que todas apresentam soluções muito idênticas: um crédito próprio e um outro financiado pelo Estado através do Sistema de Garantia Mútua.

O financiamento por garantia mútua é o mais favorável e, na maioria dos casos, o empréstimo é entregue em pequenas tranches consoante as necessidades anuais de cada aluno. Estes empréstimos são garantidos pelo Estado e são concedidos sem necessidade de recorrer a avales e garantias patrimoniais, apesar de serem tratados nas várias instituições de crédito nacionais, podendo apresentar pequenas variações.

No geral, estes empréstimos apresentam uma carência de seis meses a dois anos após a finalização do curso, e têm um spread baixo, que em alguns bancos, caso o aluno tenha um bom aproveitamento escolar pode ser ainda mais reduzido. O período de reembolso do capital é quase sempre o dobro do período de duração do curso. Já o montante varia sempre entre 5000 e 25 mil euros por um ou cinco anos. Leia o protocolo

Conheça as diferenças entre as várias instituições, tão fundamentais no momento de escolher:

O BPI oferece o Crédito Formação BPI que tanto pode ser utilizado em Portugal como no estrangeiro e que abrange as várias graduações superiores possíveis, desde a licenciatura ao doutoramento. Este plano pressupõe um financiamento até 75 mil euros e permite amortizações totais ou parciais do montante em dívida sem qualquer penalização. O spread aplicado é de 3,5% e o pagamento pode ser realizado num período de dez anos. Neste crédito poderá optar por carência de capital por um prazo de 12 meses ou múltiplo de 12 meses. O prazo máximo da carência correspondente à duração do curso acrescido de 6 meses, com o limite máximo de 60 meses.

No crédito de garantia mútua facultado pelo BPI, o estudante pode receber até 5000 euros por ano, o que perfaz um total máximo de 25 mil euros (5 anos). A carência é de 12 meses para além do curso e o prazo para pagamento é igual ao dobro do número de anos de estudo, o que significa que para um curso de três anos existe um período de pagamento de seis. O spread é de 1%.

No Banco Espírito Santo as condições para o crédito de garantia mútua são ligeiramente diferentes, já que o spread começa em 0,3% e vai até 2%, valor que varia consoante as notas do aluno. O BES exige um fiador para este crédito e lembra que o montante facultado vai dos 1000 aos 25 mil euros tendo como máximo 5000 euros anuais. A carência é, neste caso, de 12 meses. O Bes tem ainda um crédito próprio para estudantes, o BESUP. Este parte dos 1000 euros até um máximo de 30 mil euros, para um prazo mínimo de 12 meses e máximo de 120 meses. Aqui, a taxa de juro é fixa e parte dos 11% e o prazo de carência é de até 12 meses, o que significa que após a contratação, pode optar por ficar até 12 meses a pagar apenas juros.

Na Caixa de Crédito Agrícola voltam a existir duas tipologias de crédito para a formação. O Crédito Ensino varia entre 5 mil e 60 mil euros – 30 mil se o aluno for para o estrangeiro sob o abrigo do programa Erasmus e 60 mil se estudar no estrangeiro – e tem um prazo entre 24 e 120 meses, com uma carência de 6 a 42 meses consoante o curso realizado. O spread é de 4%.

Este banco é o único que apresenta informação relativa ao crédito de garantia mútua na internet. As condições são idênticas às já apresentadas: um empréstimo entre 1000 e 5000 mil euros ao ano até um máximo de 5000 euros distribuído em tranches mensais de igual montante; um spread variável entre 0,2% e 1% consoante a média do aluno e uma amortização entre 6 e 10 anos, após a conclusão do curso. O período de carência é equivalente ao período do curso mais um ano, pelo menos.

Na CGD o crédito com garantia mútua tem um spread fixo de 1%, o valor emprestado é o mesmo, entre 5000 e 25 mil euros e o prazo é de até 16 anos. Já a carência é de 24 meses.

A Caixa tem ainda o Crediformação, um pacote que permite entregar entre 30 mil e 50 mil euros consoante o aluno esteja a frequentar um curso em Portugal ou no estrangeiro. Durante o curso e até três anos depois, pode pagar-se unicamente os juros. A taxa pode cair se o aluno tiver boas notas e as condições tornam-se ainda mais vantajosas se as escolas tiverem protocolo com o banco.

O crédito próprio do Millenium BCP vai de 5000 a 10 mil euros ao ano, mediante seja para cursos em Portugal ou no estrangeiro, e tem um prazo de utilização de 12 a 48 meses. O spread é de 4% e o pagamento só tem de ser feito seis meses após a finalização do curso. Na opção por garantia mútua oferecida por este banco, o crédito pode ir dos 5000 aos 25 mil euros e o dinheiro é entregue em tranches. O período de carência é de 12 meses e a amortização é, mais uma vez, o dobro do número de anos do curso. A taxa vai dos 0,2% a 1% mediante as notas do aluno em causa.

No Santander Totta existe o crédito universitário plus, que para Portugal entrega até 25 mil euros e que para o estrangeiro até 50 mil. Os spreads também variam e são de 3% para o primeiro caso e de 3,5% para o segundo, o mesmo se passa com a carência que é de 12 meses para cursos nacionais e de 24 meses para quem estuda fora do país. 

Para os créditos de garantia mútua, o Santander-Totta oferece entre 1000 e 5000 euros ao ano, a um spread variável, que parte de 0,2% até 1%, caso o aluno tenha ou não um bom aproveitamento. Neste caso, a carência é de dois anos e o prazo do crédito pode ir até aos 16.

Fonte: Dinheiro Vivo em 17/05/2013

Deixe o seu comentário

 

TV ONLINE