NOVA LINHA DE CRÉDITO PARA EMPRESAS

A CGD tem 350 milhões de euros para financiar as empresas.

Esta nova linha de crédito está em vigor desde o início deste mês através de um protocolo assinado com o IAPMEI. Este novo instrumento de financiamento às PME´s tem como objectivo auxiliar as empresas a dinamizar e a alavancar o comércio internacional, mais concretamente a exportação.

Passamos a prestar a informação veículada pelo IAPMEI:

IAPMEI e Caixa assinam protocolo para Linhas Caixa Capitalização – 350 milhões de euros para o financiamento da economia nacional.

O IAPMEI, a Caixa Geral de Depósitos, a PME Investimentos e as Sociedades de Garantia Mútua assinaram no dia 1 de fevereiro um protocolo para operacionalização das Linhas de Crédito Caixa Capitalização.

Com uma dotação global de 350 milhões de euros, este novo instrumento de financiamento é destinado a pequenas e médias empresas orientadas para o mercado internacional.

Poderão ser enquadradas, até ao limite global de 10% da Linha Caixa Capitalização, empresas com um volume de negócios inferior a 3 milhões de euros, que não apresentem os indicadores mínimos fixados desde que, na opinião da CGD e das SGM, prossigam estratégias de crescimento e diferenciação no mercado, dispondo de organização e capacidade de gestão adequadas.

No que diz respeito ao montante máximo por empresa, o mesmo estará dependente do plano de investimento acordado ou o equivalente a dois meses de faturação (16,6% do VN anual) com o máximo de 1,5 x EBITDA anual, com o limite máximo de 4 milhões de euros, definido em função da cobertura assegurada pela garantia mútua.

Em relação à garantia mútua, estas operações beneficiam de uma garantia autónoma à primeira solicitação prestada pelas SGM, destinada a garantir 50% do capital em dívida em todo o momento, no máximo de 2 milhões de euros, e respeitando os limites de envolvimento por empresa ou grupo de empresas existente no Sistema Nacional de Garantia Mútua (3,75 milhões de euros de garantias por empresa ou grupo de empresas sem contas consolidadas e 4,5 milhões se com contas consolidadas).

No que diz respeito ao prazo das operações, a CGD prevê acordar prazos alargados não podendo, contudo, ultrapassar os 7 anos.

Estas linhas apresentam uma taxa de juro Euribor (6M) + spread, sendo este definido em função dos níveis de risco e da tipologia dos instrumentos a utilizar, com possibilidade de capitalização semestral (parcial ou integral) de juros, podendo ser diferente, mediante acordo da SGM, para as operações.

Este instrumento financeiro é um produto exclusivo da Caixa Geral de Depósitos, pelo que para mais informações as empresas poderão dirigir-se a qualquer agência do banco ou Gabinete Caixa Empresas.

Fevereiro/2013

 

2 Comentários

  1. Joaquim Manuel

    isto é tudo conversa

  2. carlos

    é tudo muito facil ,para fazer poblicidade !!!mas assim que pressizamos mesmo que seja um bom progeto e com boas garantias ,tudo lhes parece complicado e nao dao facilidades para  avançar !
    é so mesmo conversa e ainda destabilisam ,quem tem conhecimentos fazendo-os passar por pessoas incultas ,sem saberem realmente aquilo que dizem sertos directores deste banco sao mais que palhaços e nao merecem o cargo de responsabilidade que lhes é atribuido !

Deixe o seu comentário

 

TV ONLINE