Microcrédito ajuda a criar o seu próprio emprego

Forma de financiamento tem vindo a ganhar expressão, numa altura em que o desemprego tem aumentado e as condições do crédito tradicional da banca estão cada vez mais restritivas.
 
A conclusão é unânime para todos os beneficiários de microcrédito que o Negócios contactou: o processo é simples e rápido. Numa altura em que o desemprego bate à porta de um número crescente de portugueses e o financiamento tradicional junto da banca é cada vez mais caro e difícil, o microcrédito assume-se como uma alternativa para criar o seu próprio negócio e posto de trabalho.

No geral, as condições necessárias para que possa recorrer a esta forma de financiamento são um projecto de negócio viável e uma idade superior a 18 anos. O microcrédito pode ser apresentado como um tipo de financiamento de valor reduzido e que se destina, essencialmente, a pessoas que pretendam desenvolver uma actividade económica, mas que se encontram em situação de desemprego, com um emprego precário ou sejam pequenos empresários.

BES, CGD e Millennium bcp são os bancos que concedem este tipo de financiamento. Alguns deles fazem-no por intermédio de protocolos com a Associação Nacional de Direito ao Crédito (ANDC), do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) ou com a Santa Casa da Misericórdia.

O Negócios contactou os principais bancos nacionais para saber quais são as condições oferecidas. O BES financia entre 250 e 12.500 euros, de três a 48 meses. A taxa de juro resulta da euribor a três meses somada a uma taxa de 6%. Já o BCP comercializa um serviço de microcrédito até 25 mil euros, com um prazo máximo de 60 meses. O banco não indicou a taxa de juro.

Já a CGD dispõe de uma linha de financiamento protocolada com o IEFP que pode chegar aos 20 mil euros, no qual é cobrada uma taxa que resulta da Euribor a um mês, somada a um “spread” de 2,5%, para um prazo máximo de 84 meses. Já no caso da linha acordada com a ANDC, os valores máximos poderão chegar aos 12.500 euros até 60 meses, com possibilidade de reforçar até aos 15 mil euros, após um ano de actividade. Os juros cobrados resultam da soma da Euribor a três meses com um “spread” de 3%.

A ANDC pode mesmo ser um ponto de partida para aqueles que necessitem de financiamento para o seu projecto. Trata-se de uma associação sem fins lucrativos que implementou o seu projecto de microcrédito em 1998. Segundo Edgar Costa, gestor operacional, actualmente a ANDC tem protocolos com a CGD, o BES e a Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Noroeste (Viana do Castelo), estando a negociar também a renovação do protocolo com o BCP. Desde o início da actividade, foram já concretizados 1,748 projectos, dos quais 154 são relativos a este ano.

 

TOME NOTA

O microcrédito tem como principal objectivo combater a pobreza e o desemprego. Para tal, disponibiliza ferramentas para a criação do próprio emprego e, deste modo, fomenta a inclusão social. Destina-se a pessoas empreendedoras e que não conseguem obter financiamento pelas vias tradicionais para a implementação do seu projecto.

Antes de preencher a ficha de candidatura, directamente junto ao banco ou com alguma das instituições que podem intermediar o processo, faça
uma análise cuidada do projecto que vai apresentar. É essencial que esteja seguro da viabilidade do negócio. Deve também informar-se adequadamente de todas as entidades que disponibilizam microcrédito. Deste modo, poderá avaliar melhor todas as opções disponíveis e aquelas que melhor se adequam ao seu projecto.

Fonte: Negócios em 30/11/2012

9 Comentários

  1. Maria Manuela Pinto

    será que depois de ter criado o meu próprio emprego recorrendo ao total das prestações do subsidio de emprego, eu poderei recorrer a algum financiamento como o microcrédito, ou outro com alguns beneficios?

  2. Micael Almeida

    Boa tarde.
    tenho um protejo de uma plantação de árvores, ou de uma pocilga   e gostaria de saber que ajudas posso ter sobre este investimento??
    e onde me posso dirigir para para mais informações.
    Fico aguardar uma resposta se possível para o meu e-mail
    Obrigado
    Micael Almeida

  3. Lidia Costa

    Boa tarde. Estou desempregada à mais de 3 anos. Não estando a receber subs de desemprego. Gostaria de abrir o meu próprio negocio, ( salão de cabeleireiro e estética). Gostaria de saber como posso obter apoios financeiros para este projeto. obrigada.

  4. João Correia

    Boa tarde.
    Gostaria receber alguma informação sobre o seguinte ponto.
    Estou desempregado de momento mas pretendia adquirir um estabelecimento, nomeadamente, cafe e mercearia, e gostaria saber o que é necessario fazer para poder usufruir de algum apoio por parte do governo açoreano para a criaçãoo de posto de trabalho e concessão de credito.
    aguardo resposta.
    Obrigado

  5. andré rodrigues

    Bom dia gostaria de saber se é possivel aderir ao microcrédito tendo problemas bancários… estou desempregado e quero abrir projeto pelo IEFP…

    cumprimentos…

  6. mafalda veiga

    Boa tarde, gostaria que me ajudassem em saber qual o ponto de partida para dar inicio a um negocio proprio na area de restauracao. O que fazer? Onde terei que me dirigir para ter apoio financeiro pelo centro de emprego como jovem empreendedor. Aguardo resposta para o email indicado. Obrigado.

  7. Vera

    Pretendo abrir um hostel, mas não sei o que é preciso e se há fundos comunitários para tal. 

  8. Ana

    Boa noite, eu gostaria de abrir um negocio de restauração, já vi um lugar, mas a proprietária quer trespassar, será que me ajudarão com um financiamento ?
    Fico aguardar resposta. obrigada 

Deixe o seu comentário

 

TV ONLINE